Quinta-feira, 8 de Fevereiro de 2007

Seguindo os pirilampos...

     O relato de “O Sargento” sobre a reunião no MAI a propósito da Reestruturação das FS faculta estabelecer objectivamente alguns factos. Permito-me trazê-lo aqui, procurando esquematizar para mais facilmente ser comentado por pontos isolados.

 

1. Em 06FEV07, uma delegação da ANSGNR deslocou-se ao MAI, a fim de ser auscultada sobre a reestruturação da GNR. Presentes, o Ministro bem como o Secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna e Subsecretário de Estado da Administração Interna.

 

2. A reunião ter-se-á centrado na discussão sobre o relatório da “Accenture”. Note-se que nalguns pontos não fica claro se estamos perante uma proposta da Empresa ou do MAI ou apenas do entendimento da ANS/GNR. Razão forte para manter pormenores da redacção do relato.


3. A primeira questão levantada foi a dos escalões de comando, tendo a Associação referido que nesta matéria se torna necessário que o comando se aproxime das bases, contribuindo desta forma para uma execução mais agilizada das diversas vertentes da missão da GNR, e que a haver eliminação de algum desses patamares, esta deveria incidir sobre o escalão Brigada.

 

4. A colocação dos Destacamentos de Trânsito e Fiscais na dependência dos Grupos, com uma articulação idêntica à da Investigação Criminal e do SEPNA merecem a aprovação da Associação.


5. Foi acolhida favoravelmente a possibilidade de concentração dos Regimentos de Infantaria e de Cavalaria, bem como a constituição de uma Unidade de Representação.

 

6. A Associação referiu que, dada a sua matriz militar, a GNR deveria ter a exclusividade de tudo o que se relacionasse com a Manutenção da Ordem Pública (incluindo Operações Especiais), inactivação de engenhos explosivos, escolta e segurança de altas entidades.


7. É consensual a eliminação de alguns Postos Territoriais, sobretudo os de reduzido efectivo, devendo os elementos que os compõem ser reafectados a outros Postos, permitindo assim um melhor policiamento.

8. Alertou-se (a Associação alertou?) que não seria muito viável a colocação de militares nas juntas de freguesia, apenas em regime de atendimento, nas zonas onde fossem encerrados os Postos, e que seria prestado um melhor serviço às populações, se fosse utilizado um Posto Móvel devidamente apetrechado, o que permitiria um policiamento de proximidade, a prevenção e repressão de eventuais ilícitos. Qualquer Posto que se mantenha em funcionamento, para que seja possível a implementação de turnos de 6 horas, deverá ter um mínimo de 32 elementos, o que não é de todo descabido, devido ao aumento da idade em que se transita para a reserva, e à possibilidade de aproveitamento de funcionários públicos para determinadas tarefas.


9. No capítulo da formação, foi referido (por quem?) que o nível de escolaridade de ingresso tem de ser igual nas duas forças de segurança, para evitar certos estigmas e a criação e alguns estereótipos que acompanham a GNR desde há alguns anos e que são susceptíveis de diversos tipos de aproveitamento, designadamente, aparecer aos olhos da opinião pública como uma força de segurança de segunda linha.

 

10. Relativamente aos oficiais, defendeu-se (quem?) que a sua formação deveria ter uma maior componente na vertente policial, não se perdendo de vista a matriz militar, nada obstando a que a formação fosse conjunta com os oficiais destinados à PSP, no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna, o qual deveria sair da alçada da Polícia de Segurança Pública, transitando para a esfera do MAI, sendo que para o efeito bastaria uma alteração da lei orgânica deste Ministério.

 

11. Tendo em conta que a dado passo do relatório da “Accenture” consta que os Postos deverão ser tendencialmente comandados por oficiais, foi referido que tal medida não era do agrado da Associação.

 

12. Caso ela venha a ser implementada (foi esclarecido que a sê-lo será apenas num número reduzido de Postos), foi proposto que para o efeito fosse permitido aos Sargentos ascender à categoria de Oficiais em moldes diferentes daqueles que são permitidos actualmente, tendo em vista o comando dessas subunidades, à semelhança do caminho que foi trilhado pela Gendarmerie em França.

 

 13. Foi recebida negativamente a possibilidade de admissão de Sargentos que não sejam oriundos da categoria de Praças da GNR.

 

14. Além do relatório da "Accenture", foram ainda abordadas algumas questões relativas à categoria dos Sargentos, designadamente a reformulação do CFS, e a sua adaptação às necessidades actuais, no seguimento daquilo que já se escreveu neste blogue num artigo intitulado "O Sargento da Guarda Nacional Republicana" publicado em 15/10/2006.


15. Relativamente à possibilidade da ascensão à categoria de Oficial General por parte de Oficiais da GNR, esta foi acolhida favoravelmente pela ANS/GNR, devendo a transição ser iniciada com recurso aos Oficiais oriundos dos CFO, sem esperar pelo momento em que os Oficiais oriundos da Academia Militar tenham condições para o efeito.


16. O Sr. Ministro referiu expressamente que o modelo dual (uma força policial civil e outra militar) é para manter, porque é aquele que melhor se adapta à realidade portuguesa,

 

17. Quanto ao critério de separação entre as duas Forças de Segurança, perante o critério funcional ou o territorial, optar-se-á pelo territorial. Neste capítulo, há três hipóteses: desfazer as freguesias partilhadas; eliminar as zonas de descontinuidade (bolsas), e atender ao número de habitantes das localidades. Ao que consta (?) a prioridade é desfazer as “partilhas” e eliminar as zonas de descontinuidade. Dado que o desempenho das duas forças de segurança é idêntico, o número de habitantes das localidades não será tido em linha de conta, tendo sido afirmado que devido ao mal-estar e ansiedade que as notícias vindas a público estão a provocar, tal questão irá ser definitivamente esclarecida muito em breve.

 

18. A Associação alertou a tutela para as diversas implicações da deslocação de efectivos, tanto da GNR como da PSP, em face da reorganização territorial.

 19. A ANS/GNR pronunciou-se favoravelmente relativamente à questão de um determinado conjunto de serviços, designadamente intendência, mecânicos, barbeiros, messes, bares, secretarias, passarem a ser prestados por entidades externas, devido ao elevado número de recursos humanos que são canalizados para o seu desempenho e que poderão estar afectos à actividade operacional. Não podendo essas tarefas servir como depósito para os elementos que não reúnem características para o desempenho das tarefas policiais.

 

 

     A  Associação, no seu relato, faz questão de vincar que desde que existe tem alertado para a necessidade da GNR sofrer uma reestruturação profunda, acompanhada de uma gestão racional de efectivos e meios, tendo em vista um cabal desempenho da missão que lhe está atribuída,

não obstante (?) a manutenção do seu cariz militar.

     Para além dos factos acima relatados, têm os meus caros visitantes oportunidade para em termos sérios e construtivos comentar e opinar publicamente. Para que os Guitas e os Zés também tenham voz. Agradeço que o façam ordenadamente, por pontos. 

sinto-me: muito receptivo.
publicado por Zé Guita às 13:46
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Alfa India a 11 de Fevereiro de 2007 às 17:42
Concordo na maioria das posições da ANS/GNR.
No entanto, devo lembrar que em matéria de ordem pública, que tem tradição e know how é efectivamente a PSP (Corpo de Intervenção e GOE são bastante mais antigos e têm muito mais provas dadas dos que as recentes estoturas " copiadas" pela GNR, pelo não vejo qualquer utilidade ou eficácia para a população, estas tarefas passarem para a GNR.


Comentar post

.mais sobre mim: ver "Zé Guita quem é"

.pesquisar

 

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

30
31


.posts recentes

. COMPETIÇÃO OU COOPERAÇÃO ...

. DESORGANIZAÇÃO E DESORDEM

. DIA DA INDEPENDÊNCIA NACI...

. A SOCIEDADE ESPECTÁCULO

. ECONOMICISMO, OPINIÕES E ...

. LEITURAS - 2ª Edição

. APROXIMAÇÃO À MATRIZ

. MAIS QUESTÕES CANDENTES

. LEITURAS!!!

. QUESTÕES CANDENTES

.arquivos

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Portal dos Sites

.publog

.Comunidade

Estou no Blog.com.pt
blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post