Domingo, 27 de Dezembro de 2009

NATAL, CONFIANÇA E SEGURIDADE

 

 

 

     Natal é "nascimento" e é normal que  continuemos a desejar  "renascer".
     Nesta quadra,  perante a multifacetada e grave crise que ameaça a relação de confiança indispensável entre o "príncipe" detentor do poder e a sociedade civil, permitam que, sem negativismo, venha partilhar algumas inquietações no que respeita ao futuro colectivo.
 
 
1. Compreendo e aceito a integração de Portugal num grande espaço europeu, com cedência de algumas parcelas de soberania no âmbito político mas com cuidada reserva noutros e, sobretudo, defesa intransigente da identidade Nacional e de interesses vitais.
     Não posso aceitar e ofende gravemente a mim, cidadão eleitor contribuinte,  e à democracia que o "príncipe" detentor do Poder encerre a soberania de um Estado com quase 900 anos sem perguntar aos seus cidadãos o que pensam sobre o assunto!
 
 
2. Compreendo a existência de uma minoria de indivíduos homosexuais e ponho alguma tolerância (conceito discutível) na sua convivência, direito a contratualizar uniões  e protecção em sociedade desde que não queiram impor-se, negando a biologia e desagregando o tecido social.
    Não posso aceitar e ofende gravemente a mim, cidadão eleitor contribuinte, e à democracia que o "príncipe" detentor do Poder, à revelia de uso milienar da família como agregado biológico,  decida instituir o "casamento"  de homosexuais sem perguntar aos seus cidadãos o que pensam sobre o assunto.
 
3.  Comprendo e aceito a existência de Poder local, alargado e mais eficaz, mas não entendo poderes pretensamente regionais, altamente discutíveis num já de si pequeno Estado,  que me obrigariam a tolerar e a sustentar mais umas centenas de políticos "regionais".
     Não posso aceitar e ofende gravemente a mim, cidadão eleitor contribuinte, e à democracia que o "príncipe" detentor do Poder, num Estado próximo da falência económica e financeira, imperiosamente necessitado de reduzir a despesa pública, que já sustenta faustosamente demasiados políticos, que exige ao povo para apertar o cinto mas que mantém exemplos gritantes em contrário, intente uma regionalização do País sem querer saber o que  pensam os seus cidadãos sobre o assunto.
 
4. É bom lembrar que numa democracia a sério o "príncipe" exerce o Poder por delegação dos cidadãos. O "príncipe" deve ter em atenção o peso da abstenção na ida às urnas, que põe em dúvida a sua representatividade da população; e não pode ignorar a diferença entre legislar para a administração corrente e mexer com grandes mudanças culturais, sociais e políticas.
 
5.  A continuar assim e a não arrepiar caminho, é fácil vaticinar uma triste sequência em detrimento da democracia. E o pior cego é o que não quer ver.
     A degradação dos costumes, juntamente com a evolução demográfica negativa, com a  invasão do multiculturalismo  descontrolado, com o laxismo relativo aos comportamentos desviantes e a impunidade excessiva da criminalidade - além de outros factores críticos - têm vindo a  tornar latente forte desagregação social, tudo encaminhando para algo semelhante à "queda do Império Romano". 
 
     Esforço-me no sentido da  manutenção do  optimismo no ambiente e na acção social e recuso uma postura pessimista.  Mas, mergulhados que estamos na forte instabilidade de uma mudança civilizacional, acontece que à minha volta vejo múltiplos sinais que configuram ameaças  latentes ao Bem-estar, à Justiça e  à  Segurança, fins  últimos do Estado.  E inquieta-me que possa encontrar-se em perigo a Confiança dos cidadãos na condução dos assuntos da "cidade", com forte dano sobre a Seguridade individual e colectiva.   

 

sinto-me: inquieto
publicado por Zé Guita às 04:22
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De camaradita a 27 de Dezembro de 2009 às 13:33
Caro Securitas,

Não há nenhum "príncipe" a governar Portugal - o que tem a seu cargo o Governo foi eleito democraticamente, quer queira ou não. Como sabe os príncipes herdavam o poder e mamavam à fartazana à custa do povo, eles e os seus bandos. Este e outros responsáveis de governos anteriores são pagos, depois de eleitos, para exercerem o poder. E muito bem. Quando o povo quiser manda-os embora e elege outros.

Sim, há muitas abstensões. O remédio é simples: votem. Claro que têm o direito de não votar, mas esse argumento não pode ser amandado para retirar legitimidade.

Quanto aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo...., onde é que está o problema? Cada um de nós pode um dia ser pai de um homesexual ou de uma lésbica. Eles querem o direito de constituir família com os "seus" parceiros, nada a opôr. Que sejam muito felizes.

"Uso milenar da família"?! Sugiro que perca um pouco do seu tempo na leitura de uma boa "História da Família" , e vai ficar muito surpreendido. Sugiro-lhe uma: "História da Família" - Editora TERRAMAR. Encontra em muitas bibliotecas municipais . Há outras, basta ir a uma editora cristã. Presunção e água benta, cada um....

Mas gostei de ler o seu post
Cumprimentos



De Zé Guita a 27 de Dezembro de 2009 às 16:39
Caro camaradita
Grato pelo seu comentário, tento esclarecer o meu texto:
Certamente terá reparado que coloquei príncipe entre aspas, pretendendo atribuir-lhe sentido figurado, significando detentor do poder político qualquer que seja a sua natureza e origem, e não de ordem pessoal nobiliárquica. Assim, há em Portugal um "principe", neste caso eleito e não individual.
As abstenções são inquietantes na medida em que podem significar a tal quebra de confiança. Sem dúvida que são legais, mas se porventura traduzirem falta de confiança põem em causa a legitimidade.
Penso que a instituição "família", célula fundamental das sociedades, se fundamenta mais no "casamento" como regulador social do processo biológico de reprodução da espécie e menos como organizador de práticas sexuais de hedonismo; os interesses dos indivíduos centrados nestas últimas práticas são defensáveis através de "contratos" pessoais, não parecendo que configurem uma instituição.
Quanto a Histórias da Família, pode recorrer-se a diversas, em abordagem antropológica, jurídica, ideológica... Efectivamente, cada um come do que gosta.

Saudações









De Veritas a 30 de Dezembro de 2009 às 16:10
Se o senhor Zé Guita percebe-se um pouco mais de História social e das mentalidades ficaria abismado com o “conceito milenar de família” (coisa que só existe na cabeça dele). O que diz ser a “instituição família” não passa de uma construção social com pouco mais de 150 anos: a família burguesa da sociedade industrial. Importa perceber o que era “a família” do Ancien Regime, da Idade Média, do Império Romano. Importa ler um pouco de Antropologia (Claude Lévi-Strauss) para perceber como evoluíram e se estruturaram os “núcleos familiares”, quais as funções sociais que os mesmos agrupamentos desempenhavam e por que se organizavam de certa forma. Já agora, como é tão afeiçoado à sociologia, devia perceber que as actuais dinâmicas sociais apontam para o fim da sociedade industrial e com ele o fim da família burguesa (da qual nasceu e com a qual se identifica). Mas a espécie humana nem a sociedade acabam por isso. Garanto-lhe que já passaram por mudanças bem piores. O que acaba é o mundo com o qual nos habituamos, porque esse mudou. Podemos não gostar da mudança (eu também não gosto) mas vamos ter que nos acostumar…
Antigamente dizia-se que na tropa era proibida a homossexualidade. Depois passou a ser tolerada e antes que comece a ser obrigatória é melhor um gajo passar à reserva…
Cumps


De Zé Guita a 30 de Dezembro de 2009 às 19:15
Para Veritas
Veritas, veritatis: É verdade que se eu percebesse um pouco mais de História social e das mentalidades ficaria abismado ... Mas o que não corresponde a verdade é que eu tenha na cabeça "um conceito milenar de família": a expressão que utilizei foi
" uso milienar da família como agregado biológico".
Para evitar mais confusões, há muito que adoptei o conceito de instituição como sendo uma "ideia de obra ou de empresa que se realiza e perdura no meio social, mediante um poder que a realiza"; por isso penso que a familia é uma instituição, uma vez que foi socialmente construida ao longo de séculos, não se limitando ao modelo burguês.
Realmente gostaria de aprofundar as leituras de Antropologia, em que fui iniciado pelo Professor Jorge Dias. Mas pode ficar tranquilo que a matéria não me é inteiramente estranha e estou aberto à mudança cultural e à revolução civilizacional.
Porém, não gosto de abster-me e não desisto de defender aquilo em que acredito. E acresce que mais do que o ruido daqueles que me contradizem, preocupa-me o silêncio dos que pensam como eu.
Numa sociedade em que imperam o individualismo, o relativismo, o hedonismo, o laxismo e outros ismos; quando os homosexuais pretendem conquistar foros de instituição, eu reclamo o direito de expressar opinião e fazer face `a revolução "antes que seja obrigatório aceitar".

Saudações




De Veritas a 4 de Janeiro de 2010 às 10:20
Caro Zé Guita,
Eu também não gosto do loby gay. Mas aceito-o numa postura de tolerância. Desde que não venha a ser obrigatório…
Quanto à família enquanto instituição, o que lhe parece a “família-instituição” da Grécia Clássica (Atenas)? As mulheres fechadas em casa sem direitos e com a obrigação de parirem filhos futuros cidadãos. Os homens a gozarem dos direitos de cidadão e das delícias da civilização e da Democracia ateniense. Quando não estavam na ágora a discutirem os assuntos da Res-publica, divertiam-se em festas particulares com os amigos (homens). Eram todos homossexuais, mas tinham de ter “família” (com mulher) para procriarem, embora não as quisessem ter de perto, preferiam os “amigos”. E no entanto tinham uma civilização brilhante da qual somos tributários.


De Zé Guita a 6 de Janeiro de 2010 às 03:04
Caro Veritas
Vertas, veritatis: Não se trata de gostar ou não gostar do lobi gay...
A minha inquietação é bem maior e centra-se na latente falta de confiança em relação ao "príncipe", que progressivamente enfraquece a seguridade política e social entre os cidadãos.
Saudações


De ajoaosoares a 31 de Dezembro de 2009 às 10:47
Caro Amigo e seus visitantes,

A blogosfera não se resume a troca de ideias e de opiniões, mas também é um veículo de comunicação e de troca de afectos e votos amigos de um futuro melhor, de bons auspícios para 2010. Não se pode passar esta fronteira entre os dois anos sem manifestarmos o nosso desejo, a nossa esperança que a área em que entramos nos traga mais felicidade, para o nosso pequeno grupo, para os nossos compatriotas e para todos os seres viventes. Felicidades para todo o Mundo, depois desta migração para 2010.
Abraços
João (http://www.domirante.blogspot.com/)


Comentar post

.mais sobre mim: ver "Zé Guita quem é"

.pesquisar

 

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

30
31


.posts recentes

. COMPETIÇÃO OU COOPERAÇÃO ...

. DESORGANIZAÇÃO E DESORDEM

. DIA DA INDEPENDÊNCIA NACI...

. A SOCIEDADE ESPECTÁCULO

. ECONOMICISMO, OPINIÕES E ...

. LEITURAS - 2ª Edição

. APROXIMAÇÃO À MATRIZ

. MAIS QUESTÕES CANDENTES

. LEITURAS!!!

. QUESTÕES CANDENTES

.arquivos

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Portal dos Sites

.publog

.Comunidade

Estou no Blog.com.pt
blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post