Segunda-feira, 2 de Maio de 2011

"DA MINHA LÍNGUA VÊ-SE O MAR"

Do Portugal do Poder Ser  à Via Lusófona

 

Posta em relevo e interiorizada a espiritualidade como característica da portugalidade - entendida esta como “uma forma de identidade da qual a língua portuguesa constitui um pilar essencial” -  representando o melhor de Portugal e dos portugueses em sentido universalista; equacionado um caminho em busca do Portugal que Pode Ser – a partir do mito do V Império, rumo a um futuro melhor, conjugando o sonho com a realidade; tendo em conta a actual circunstância ameaçadora da redução a Estado exíguo – quando tudo é incerto e derradeiro; impõe-se assumir sem mais hesitações que É a Hora!, sendo premente a passagem à acção - orientada esta pela linha estratégica de um projecto mobilizador da Nação.

 A Cidade, enquanto colectivo organizado dos cidadãos, encontra-se abalada pela perda material do Império Ultramarino; pela transferência de soberania para o poder centrípeto da União Europeia; pela fortíssima instabilidade multidimensional  própria de uma revolução civilizacional cada vez mais evidente; e pela incerteza, perda de confiança, criminalidade, violência e insegurança física e psicológica que se vêm desenvolvendo a nível internacional e no âmbito interno em consequência das sucessivas e simultâneas crises financeiras, económicas, políticas e sociais. Os órgãos institucionais do Estado mostram-se incapazes de vencer a conjuntura perigosa em crescendo; a sociedade civil, tomada de assalto por sucessivas ondas depressivas, encontra-se largamente desmotivada, descrente e com tendência para alhear-se.

Revela-se inadiável congregar as forças que o Estado ainda tem para “marchar contra os canhões” da situação adversa. Para tal conseguir, há que gritar bem alto “às armas! às armas!”, causando ruído suficientemente estrondoso para acordar o Povo e, conseguidas a atenção deste e a adesão de algumas elites, mobilizar a Nação para se empenhar na luta orientada por um projecto estratégico que reactive a esperança e dê vida aos sonhos.

Cerca de setenta anos de domínio absolutista não conseguiram apagar as nações submetidas ao poder soviético, que ressurgiram pujantes e continuam a afirmar-se; de modo semelhante, recuperaram a individualidade política as nações englobadas no Estado jugoslavo. A Nação portuguesa, com a sua identidade nacional afirmada ao longo de quase nove séculos e com a individualidade política bem marcada pelas fronteiras terrestres  consideradas das mais antigas da Europa, possui fortes raízes anímicas. Rodeada de Espanha por quase todos os lados, o seu espaço de liberdade está no mar em frente: “O que faz Portugal é o mar!”; regressada das aventuras marítimas ao confinamento territorial da Europa, deixou espalhados pelo globo terrestre quinhentos anos marcados pela criação da Era Gâmica, tendo dado origem a “O Mundo que o português criou”, praticando extensivamente o contacto de culturas e a integração das mesmas. As caravelas regressaram, ao estreito território europeu, trazendo saudades e traços culturais oriundos das mais diversas paragens; tendo deixado na esteira das longas e duradouras rotas navegadas afinidades, usos e costumes e muito principalmente a língua portuguesa. É assim que hoje, confinada à varanda do espaço europeu, a Nação descobre que “Da minha língua vejo o Mar” e pode conjecturar  “O Poder Ser” desenvolvendo a “Portugalidade” como um avatar cultural.

Daqui ressalta o interesse vital do Mar: Portugal não é um país pequeno, pois dispõe das maiores ZEE e plataforma continental da Europa. Por esta mesma razão, Portugal não é um país sem reservas naturais. As potencialidades económicas do Mar português são do maior interesse para Portugal e cobiçadas pelos parceiros europeus. Também se vislumbra a grande dimensão do interesse futuro da Língua Portuguesa, como veículo  potenciador para o desenvolvimento da CPLP. Ambos os interesses são de considerar fundamentais para projectar uma Via Lusófona no sentido de construir uma União como alternativa possível à União Europeia.

publicado por Zé Guita às 05:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim: ver "Zé Guita quem é"

.pesquisar

 

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

30
31


.posts recentes

. COMPETIÇÃO OU COOPERAÇÃO ...

. DESORGANIZAÇÃO E DESORDEM

. DIA DA INDEPENDÊNCIA NACI...

. A SOCIEDADE ESPECTÁCULO

. ECONOMICISMO, OPINIÕES E ...

. LEITURAS - 2ª Edição

. APROXIMAÇÃO À MATRIZ

. MAIS QUESTÕES CANDENTES

. LEITURAS!!!

. QUESTÕES CANDENTES

.arquivos

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Portal dos Sites

.publog

.Comunidade

Estou no Blog.com.pt
blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post