Quarta-feira, 1 de Junho de 2011

ELEIÇÕES E ABSTENÇÃO - II

Continuando a seguir o livro “Quem se Abstém?”, do professor Jorge de Sá, adquire-se que investigações realizadas anteriormente indicaram que os abstencionistas não constituem um grupo homogéneo, dominado por uma qualquer apatia sistemática e irrecuperável, antes são diferenciáveis numa segmentação, que identifica dois tipos principais:

  • CRÓNICOS (contestatários, indiferentes e cépticos).
  • OCASIONAIS (flutuantes, por razões pessoais de saúde, de trabalho, de comodismo ou administrativas; e selectivos, por razões políticas da própria campanha eleitoral, por falta de identificação, de dramatização ou de esclarecimento.

 

Considerando as circunstâncias eleitorais como um mercado imperfeito, está indicado que os partidos diferenciem a actuação a produzir do lado da oferta e as técnicas de segmentação do mercado a utilizar do lado da procura. De qualquer modo, para combater a abstenção há que mobilizar os eleitores fazendo uso de técnicas de marquetingue de massas, de diferenciação de produto e de segmentação do mercado. Como são diferentes as causas está indicado diferenciar os tipos de eleitores, escolhendo dentre eles os alvos mais adequados para mobilizar.

Assim, haverá que distinguir entre uma abstenção de força maior … e a abstenção voluntária.

Quando associada às características dos indivíduos, a abstenção pode estar também relacionada com os contextos eleitorais      

Se houver uma duradoura condicionante política e social, a abstenção torna-se estrutura; já a comunicação política, o carisma dos líderes, a representação social, o grau de politização,  condicionam a conjuntura da abstenção.

  Para se conseguir conhecer a realidade do abstencionismo eleitoral, há que ter em conta varáveis psicológicas, sociológicas, económicas, culturais e políticas; e considerar como centrais as características dos eleitores. “… em Portugal a propensão à abstenção baixa significativamente quando aumenta o grau de escolaridade dos cidadãos e, de todas as variáveis consideradas, esta é aquela que apresenta a maior correlação com aquela propensão abstencionista.” Tal correlação não esconde outra, também significativa mas bastante menor, entre a propensão para a abstenção e a estratificação socioeconómica.

Torna-se também evidente a influência da idade, cujos estudos de correlação permitem concluir que “os mais jovens votam significativamente menos que os restantes eleitores, sendo que as menores propensões à abstenção se encontram entre os eleitores com idades entre os trinta e os cinquenta e nove anos. … em Portugal, os mais velhos (após os 60 anos) apresentam-se menos às urnas… entre os cidadãos com menos de trinta anos, um menor grau de escolaridade, o facto de ser solteiro e não terem iniciado uma carreira profissional estão significativamente associados a uma maior propensão à abstenção eleitoral.

Jorge de Sá chama a atenção para o facto de a escolaridade e o trabalho constituírem duas poderosas alavancas de integração social que têm vindo a esbater as diferenças de género; refere uma maior propensão ao voto por parte dos casados; analisa a influência da religiosidade, designadamente da católica; e em termos concludentes faz notar que “a abstenção eleitoral voluntária se encontra profundamente associada com a integração social dos cidadãos”. E coloca em especial evidência “o nível preocupante que a abstenção eleitoral atinge entre os mais novos”.

Tudo isto, afinal, reforça a ideia de que quem se abstém de ir às urnas está a render-se, abdicando de defender os seus interesses através do voto democrático e adoptando comportamentos que favorecem a desagregação social. Acresce que uma abstenção muito elevada pode colocar em causa a legitimidade dos resultados eleitorais, pode provocar forte instabilidade social e política, pode entrar numa espiral de insegurança difícil de controlar. 

publicado por Zé Guita às 10:37
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim: ver "Zé Guita quem é"

.pesquisar

 

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

30
31


.posts recentes

. COMPETIÇÃO OU COOPERAÇÃO ...

. DESORGANIZAÇÃO E DESORDEM

. DIA DA INDEPENDÊNCIA NACI...

. A SOCIEDADE ESPECTÁCULO

. ECONOMICISMO, OPINIÕES E ...

. LEITURAS - 2ª Edição

. APROXIMAÇÃO À MATRIZ

. MAIS QUESTÕES CANDENTES

. LEITURAS!!!

. QUESTÕES CANDENTES

.arquivos

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Portal dos Sites

.publog

.Comunidade

Estou no Blog.com.pt
blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post