Sábado, 18 de Agosto de 2007

VIDA MILITAR IX

            Num livro de cunho panfletário intitulado A Tropa, que pretende relatar experiência e observação pessoal do serviço militar entre Junho de 1970 e Outubro de 1977, A. Luizello Alves afirma e procura demonstrar que o sistema militar se encontra em crise, assumindo uma visão crítica claramente de esquerda.

            Descrevendo e criticando largamente o serviço militar obrigatório em particular no exército, aborda também alguns aspectos da vivência dos militares profissionais.  Segundo este autor, os métodos militares de comando encontrariam fundamento muito mais na obrigação do que na adesão, acontecendo que, sobretudo nas unidades de elite, quadros bastante “militarões” fariam vigorar um estado de espírito muito militarista e sectário. Sendo o efectivo enquadrado por pessoal de carreira, isto é, profissionais, o estilo de comando caracterizava-se pelo respeito absoluto em relação ao princípio hierárquico. Pondo em relevo o facto de os militares se exprimirem pouco e evitarem fazê-lo sem prévia submissão ao controlo superior; acrescendo a sua não participação na vida política; apontava um grande imobilismo à vida militar.

            Luizello Alves considera que “A condição militar actual é fonte de frustração, mal-estar e inquietação”, mantendo tradições ultrapassadas, demarcando-se dos civis, recusando renovar os métodos de comando e os ritos militares, formando os quadros com o espírito do passado. O exército não teria sabido evoluir, uma vez que embora fazendo a revolução técnica – sem reconhecer a preponderância do factor humano – não passou pela revolução cultural. Aqui, questiona a formação dos militares profissionais e os seus educadores.

            Para este autor - em linha com o mito do super-homem de Nietzsche - a formação militar e os seus educadores sofrem a influência do modelo tradicional, marcado pelas qualidades do cavaleiro e com forte sentido da disciplina e do dever, persistindo em glorificar a vocação de chefe de alguns e a submissão para a obediência dos executantes.

            O autor reconhece que a instituição militar se baseia “muito mais no princípio hierárquico e no sentido da disciplina, em todas as circunstâncias, do que na iniciativa e na imaginação”, mas daqui resulta haver oposição e tensão permanentes entre tais aspectos da personalidade de base. O princípio da hierarquia e a iniciativa são conciliáveis pela limitação do militar a um sistema de valores específico, estável e muito simples: ordem, disciplina e serviço.

            O carácter e a disciplina encontram síntese ao conceber o cumprimento da missão, com maior peso para a disciplina e com apertados limites para a iniciativa.

            As escolas militares, com a pretensão principal de formar o carácter, isolariam os formandos da sociedade civil, o que tornava necessária a sua reforma e esta passaria por abrir o ensino militar à luz do exterior.

            Numa visão característica do chamado “período revolucionário em curso”, a propósito do controlo permanente da instituição militar pelo poder político, interroga-se sobre a criação de comissários para as forças armadas a designar pelos diferentes grupos políticos.

            Sobre a opinião pública acerca dos militares, descreve-a como vendo nestes preguiça, falta de inteligência, espírito de rotina, brutalidade, mesquinhez. E aponta como forma de criar um melhor estado de espírito, promover uma melhor atmosfera, aproximando a vida militar da vida civil, expulsando a berraria dos graduados, difundindo música, decorando os corredores, multiplicando os jornais de parede. Quanto ao cerimonial e aos rituais, não sendo necessariamente condenáveis, deveriam ser reduzidos ou ser-lhes atribuído diferente significado. E conclui em jeito profético ser defensável para um moderno futuro próximo “uma estratégia de não-violência ou de desarmamento”.

 

 Alves, Armando Luizello – A Tropa (Também Há Quem lhe Chame O Exército). Lisboa: Delfos, 197(8?). 

tags:
publicado por Zé Guita às 09:55
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim: ver "Zé Guita quem é"

.pesquisar

 

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

30
31


.posts recentes

. COMPETIÇÃO OU COOPERAÇÃO ...

. DESORGANIZAÇÃO E DESORDEM

. DIA DA INDEPENDÊNCIA NACI...

. A SOCIEDADE ESPECTÁCULO

. ECONOMICISMO, OPINIÕES E ...

. LEITURAS - 2ª Edição

. APROXIMAÇÃO À MATRIZ

. MAIS QUESTÕES CANDENTES

. LEITURAS!!!

. QUESTÕES CANDENTES

.arquivos

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.publog

blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários