Sábado, 15 de Setembro de 2007

GNR: ALGUMAS IDEIAS QUE CIRCULAM

          Com origens diversas, fruto de sugestões de observadores independentes ou eventualmente de sopros fantasmagóricos, sob a forma de conversas “de café” ou “de caserna”e veiculadas pela blogosfera, andam por aí algumas ideias não oficiais sobre a evolução da Guarda.

          Num novo período de tempo de vésperas, não defendendo e mesmo contrapondo alguns pontos de vista mas mantendo uma postura metodológica de abertura, convém prestar-lhes atenção pois podem influenciar o processo.

 

José Tavares, no blog Do Miradouro

§  A estrutura superior de comando da Guarda está inflacionada, com prejuízo para as unidades operacionais.

§  A Guarda tem razão de ser enquanto tiver capacidade para actuar em cenários de guerra.

§  O emprego da GNR em acções de SAR não torna necessário ter generais nos seus quadros nem obriga a usar os mesmos nomes para as funções.

§  .      Para evitar generais “de segunda”, podem dar-lhes outros nomes.

 

Guarda Abel, nos blogs Do Miradouro e Securitas:

§  Atenda-se ao preconizado pelo MAI Alberto Costa: distinguir a actividade policial da administração e direcção das instituições policiais.

§  Continuo a pronunciar-me contra a descaracterização institucional da GNR, à qual deve ser reconhecido um valor específico no sistema de segurança.

§  È possível a separação da esfera própria duma direcção nacional, civil, da esfera dum comando operacional, militar.

§  Linhas possíveis para orientar a reforma:

Respeitar a terminologia da CRP e definir a GNR como força militarizada de segurança interna.

            Redesenhar carreiras, com hierarquia específica.

Formar os oficiais em escola da GNR, sem prejuízo da formação estritamente militar e complementar ser realizada em estabelecimento de ensino superior militar.

Afectar À Guarda competências exclusivas em domínios da segurança interna, justificadas pela capacidade operacional e não pela “natureza”.

 

Guarda Abel, no blog Securitas:

§  O caminho para a GNR ser viável é apostar na diferenciação ou na especialização de funções, as quais deverá procurar exercer em exclusivo e, sobretudo, apostar na valorização dos seus recursos humanos.

§  A Guarda encontra-se dilacerada entre transformar-se numa Guarda Nacional (resvalando para o campo da Defesa Nacional, 4º Ramo) ou transformar-se numa Polícia rural, encaixando-se nos nichos não disputados pela PSP (o que garante permanência e identidade no sistema de Segurança Interna).

§  Disputar com a PSP a afectação de competências próprias no domínio da Segurança Interna, procurando equilíbrios e compromissos, não resolve a permanência e individualidade neste Sistema.

§  A GNR terá que admitir uma progressiva civilinização, abdicando de aspectos da sua cultura organizacional e depurando outros, adaptados à sua própria realidade. Trata-se de salvar o que há a salvar na putativa matriz militar.

§  Algumas linhas para reformar a GNR sem atender a lobies:

Introduzir uma Direcção nacional.

Circunscrever os generais em comissão de serviço ao comando operacional, subordinados à Direcção Nacional.

Respeitar a terminologia da CRP e definir a GNR como força militarizada de Segurança Interna.

Redesenhar as carreiras, com nomenclatura específica.

Formar os oficiais em Escola da GNR, sem prejuízo de a parte estritamente militar e complementar poder ser feita em estabelecimentos de ensino superior militar.

Afectar à Guarda competências exclusivas em domínios da Segurança Interna, justificando-as pela capacidade operacional.

publicado por Zé Guita às 09:40
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim: ver "Zé Guita quem é"

.pesquisar

 

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

30
31


.posts recentes

. COMPETIÇÃO OU COOPERAÇÃO ...

. DESORGANIZAÇÃO E DESORDEM

. DIA DA INDEPENDÊNCIA NACI...

. A SOCIEDADE ESPECTÁCULO

. ECONOMICISMO, OPINIÕES E ...

. LEITURAS - 2ª Edição

. APROXIMAÇÃO À MATRIZ

. MAIS QUESTÕES CANDENTES

. LEITURAS!!!

. QUESTÕES CANDENTES

.arquivos

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.publog

blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários