Domingo, 27 de Dezembro de 2009

NATAL, CONFIANÇA E SEGURIDADE

 

 

 

     Natal é "nascimento" e é normal que  continuemos a desejar  "renascer".
     Nesta quadra,  perante a multifacetada e grave crise que ameaça a relação de confiança indispensável entre o "príncipe" detentor do poder e a sociedade civil, permitam que, sem negativismo, venha partilhar algumas inquietações no que respeita ao futuro colectivo.
 
 
1. Compreendo e aceito a integração de Portugal num grande espaço europeu, com cedência de algumas parcelas de soberania no âmbito político mas com cuidada reserva noutros e, sobretudo, defesa intransigente da identidade Nacional e de interesses vitais.
     Não posso aceitar e ofende gravemente a mim, cidadão eleitor contribuinte,  e à democracia que o "príncipe" detentor do Poder encerre a soberania de um Estado com quase 900 anos sem perguntar aos seus cidadãos o que pensam sobre o assunto!
 
 
2. Compreendo a existência de uma minoria de indivíduos homosexuais e ponho alguma tolerância (conceito discutível) na sua convivência, direito a contratualizar uniões  e protecção em sociedade desde que não queiram impor-se, negando a biologia e desagregando o tecido social.
    Não posso aceitar e ofende gravemente a mim, cidadão eleitor contribuinte, e à democracia que o "príncipe" detentor do Poder, à revelia de uso milienar da família como agregado biológico,  decida instituir o "casamento"  de homosexuais sem perguntar aos seus cidadãos o que pensam sobre o assunto.
 
3.  Comprendo e aceito a existência de Poder local, alargado e mais eficaz, mas não entendo poderes pretensamente regionais, altamente discutíveis num já de si pequeno Estado,  que me obrigariam a tolerar e a sustentar mais umas centenas de políticos "regionais".
     Não posso aceitar e ofende gravemente a mim, cidadão eleitor contribuinte, e à democracia que o "príncipe" detentor do Poder, num Estado próximo da falência económica e financeira, imperiosamente necessitado de reduzir a despesa pública, que já sustenta faustosamente demasiados políticos, que exige ao povo para apertar o cinto mas que mantém exemplos gritantes em contrário, intente uma regionalização do País sem querer saber o que  pensam os seus cidadãos sobre o assunto.
 
4. É bom lembrar que numa democracia a sério o "príncipe" exerce o Poder por delegação dos cidadãos. O "príncipe" deve ter em atenção o peso da abstenção na ida às urnas, que põe em dúvida a sua representatividade da população; e não pode ignorar a diferença entre legislar para a administração corrente e mexer com grandes mudanças culturais, sociais e políticas.
 
5.  A continuar assim e a não arrepiar caminho, é fácil vaticinar uma triste sequência em detrimento da democracia. E o pior cego é o que não quer ver.
     A degradação dos costumes, juntamente com a evolução demográfica negativa, com a  invasão do multiculturalismo  descontrolado, com o laxismo relativo aos comportamentos desviantes e a impunidade excessiva da criminalidade - além de outros factores críticos - têm vindo a  tornar latente forte desagregação social, tudo encaminhando para algo semelhante à "queda do Império Romano". 
 
     Esforço-me no sentido da  manutenção do  optimismo no ambiente e na acção social e recuso uma postura pessimista.  Mas, mergulhados que estamos na forte instabilidade de uma mudança civilizacional, acontece que à minha volta vejo múltiplos sinais que configuram ameaças  latentes ao Bem-estar, à Justiça e  à  Segurança, fins  últimos do Estado.  E inquieta-me que possa encontrar-se em perigo a Confiança dos cidadãos na condução dos assuntos da "cidade", com forte dano sobre a Seguridade individual e colectiva.   

 

sinto-me: inquieto
publicado por Zé Guita às 04:22
link do post | favorito
De camaradita a 27 de Dezembro de 2009 às 13:33
Caro Securitas,

Não há nenhum "príncipe" a governar Portugal - o que tem a seu cargo o Governo foi eleito democraticamente, quer queira ou não. Como sabe os príncipes herdavam o poder e mamavam à fartazana à custa do povo, eles e os seus bandos. Este e outros responsáveis de governos anteriores são pagos, depois de eleitos, para exercerem o poder. E muito bem. Quando o povo quiser manda-os embora e elege outros.

Sim, há muitas abstensões. O remédio é simples: votem. Claro que têm o direito de não votar, mas esse argumento não pode ser amandado para retirar legitimidade.

Quanto aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo...., onde é que está o problema? Cada um de nós pode um dia ser pai de um homesexual ou de uma lésbica. Eles querem o direito de constituir família com os "seus" parceiros, nada a opôr. Que sejam muito felizes.

"Uso milenar da família"?! Sugiro que perca um pouco do seu tempo na leitura de uma boa "História da Família" , e vai ficar muito surpreendido. Sugiro-lhe uma: "História da Família" - Editora TERRAMAR. Encontra em muitas bibliotecas municipais . Há outras, basta ir a uma editora cristã. Presunção e água benta, cada um....

Mas gostei de ler o seu post
Cumprimentos



De Zé Guita a 27 de Dezembro de 2009 às 16:39
Caro camaradita
Grato pelo seu comentário, tento esclarecer o meu texto:
Certamente terá reparado que coloquei príncipe entre aspas, pretendendo atribuir-lhe sentido figurado, significando detentor do poder político qualquer que seja a sua natureza e origem, e não de ordem pessoal nobiliárquica. Assim, há em Portugal um "principe", neste caso eleito e não individual.
As abstenções são inquietantes na medida em que podem significar a tal quebra de confiança. Sem dúvida que são legais, mas se porventura traduzirem falta de confiança põem em causa a legitimidade.
Penso que a instituição "família", célula fundamental das sociedades, se fundamenta mais no "casamento" como regulador social do processo biológico de reprodução da espécie e menos como organizador de práticas sexuais de hedonismo; os interesses dos indivíduos centrados nestas últimas práticas são defensáveis através de "contratos" pessoais, não parecendo que configurem uma instituição.
Quanto a Histórias da Família, pode recorrer-se a diversas, em abordagem antropológica, jurídica, ideológica... Efectivamente, cada um come do que gosta.

Saudações









De Veritas a 30 de Dezembro de 2009 às 16:10
Se o senhor Zé Guita percebe-se um pouco mais de História social e das mentalidades ficaria abismado com o “conceito milenar de família” (coisa que só existe na cabeça dele). O que diz ser a “instituição família” não passa de uma construção social com pouco mais de 150 anos: a família burguesa da sociedade industrial. Importa perceber o que era “a família” do Ancien Regime, da Idade Média, do Império Romano. Importa ler um pouco de Antropologia (Claude Lévi-Strauss) para perceber como evoluíram e se estruturaram os “núcleos familiares”, quais as funções sociais que os mesmos agrupamentos desempenhavam e por que se organizavam de certa forma. Já agora, como é tão afeiçoado à sociologia, devia perceber que as actuais dinâmicas sociais apontam para o fim da sociedade industrial e com ele o fim da família burguesa (da qual nasceu e com a qual se identifica). Mas a espécie humana nem a sociedade acabam por isso. Garanto-lhe que já passaram por mudanças bem piores. O que acaba é o mundo com o qual nos habituamos, porque esse mudou. Podemos não gostar da mudança (eu também não gosto) mas vamos ter que nos acostumar…
Antigamente dizia-se que na tropa era proibida a homossexualidade. Depois passou a ser tolerada e antes que comece a ser obrigatória é melhor um gajo passar à reserva…
Cumps


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim: ver "Zé Guita quem é"

.pesquisar

 

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

30
31


.posts recentes

. COMPETIÇÃO OU COOPERAÇÃO ...

. DESORGANIZAÇÃO E DESORDEM

. DIA DA INDEPENDÊNCIA NACI...

. A SOCIEDADE ESPECTÁCULO

. ECONOMICISMO, OPINIÕES E ...

. LEITURAS - 2ª Edição

. APROXIMAÇÃO À MATRIZ

. MAIS QUESTÕES CANDENTES

. LEITURAS!!!

. QUESTÕES CANDENTES

.arquivos

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.publog

blogs SAPO

.subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários